25.1.16

Sobre sonhar acordado

A gente escuta um monte que sonhar é de graça, que sonhar não custa nada, que vale a pena sonhar, que não podemos abrir mão dos nossos sonhos... Até a xuxa falou todo dia de manhã nos nossos ouvidos (​para ​quem for da minha geração) a importância de sonhar... E sempre vinha a música "Tudo pode ser, só basta acreditar, tudo o que tiver que ser será!"... [​Detalhe: pasmem! eu amava cantar essa música "Lua de Cristal" na frente do espelho... Pense?! Rs... Conta pra ninguém não! Kkk] Mas afinal, o que é exatamente sonhar? Que sonho é esse que tanto falam? Será que sabemos sonhar mesmo? E melhor, será que acreditamos nos nossos sonhos? Será que estamos realmente dispostos a realizar nossos sonhos?

Como já sabem, eu sou touro com ascendente em touro. Não sei se são os astros, ou se foi a minha criação, mas nunca fui de ficar sonhando na vida... Meu tempo - do sonho para realização - sempre foi muito rápido. Sou uma pessoa que realizo. E quando digo realizo, é qualquer coisa que sonho, entendendo aqui que sonho é algo que eu deseje, não precisa ser algo grandioso como ganhar na mega sena, entende? Aliás, esse é um dos pontos que quero chegar: qual o seu sonho? Ele é realizável? Depende de você o seu sonho? Ou depende da sorte de seus números serem sorteados? E se depende dessa sorte, você joga sempre na mega sena? Você se acha uma pessoa de sorte?

No meu entender, existem vários níveis de sonhos... Tem aquele sonho super simples, do dia-a-dia, do tipo: "meu sonho é conseguir responder todos os e-mails da caixa de entrada da Tê Pires", é um sonho que sempre tenho, nem sempre consigo realizar, mas o classifico como um nível simples de sonhos, se eu me esforçar, consigo realizar diariamente. Certo? Tem também os sonhos um pouco maiores, mas ainda sim, super acessíveis, como por exemplo: "meu sonho é conseguir fazer atividade física três vezes na semana". Complicado, para algumas pessoas, mas super realizável com disciplina e força de vontade, né? E também tem sonhos que às vezes envolve o ter e nem sempre é tão fácil, mas também é possível e só depende de você, tipo: "meu sonho é comprar aquela bicicleta holandesa." Ela pode ser mais cara, mais difícil de achar... Mas se você se programar, com o tempo, economizar, procurá-la, você vai conseguir. Você pode estar falando aí para você mesma: ah Tereza... Mas isso tudo aí que vc tá dizendo não é sonho, é só quereres, desejos, coisas simples. E é exatamente aí onde eu quero chegar! A vida é simples, a felicidade é simples, os sonhos são simples, porque não? Porque não sonhar algo realizável? Por você mesma! Para mim, esses são os meus desejos que encaro como sonhos e realizo. Assim, sou uma pessoa muito mais feliz que realizo sonhos praticamente diariamente! Não é fantástico? :)​

Claro que há também os sonhos maiores, os mais difíceis (e não impossíveis), aqueles sonhos que a gente precisa da ajuda de alguém, do universo conspirando a favor... Sabe? Também merecemos sonhar com eles. E aí que se encaixa o ganhar na mega sena. É possível, sempre alguém ganha, mas para ganhar, tem que jogar. Eu diria aqui, ampliando o conceito da categoria desses sonhos, tem que se jogar! ;) "Meu sonho é trabalhar com o que eu amo!" É possível, mas é mais difícil, demanda tempo, ajuda e​ colaboração do mundo também... Mas só realiza, quem se joga, quem tem coragem! Realizar sonhos maiores assim envolve mais tempo, organização, planejamento e quem sabe, um empurrãozinho de alguém. São sonhos mais difíceis de realizar sozinho, mas sim, são possíveis. E você está disposto a se jogar nos seus sonhos? Conheço muita gente e muita história de sonhos que não se realizam, mas que também não vejo as pessoas correrem atrás dele. Só sonhar, é sonhar dormindo. Para mim, sonhar acordado é fazer do sonho uma meta, alcançável. Os sonhos são os que nos fazem. São a nossa vida, nosso rumo que trilhamos. Steve Jobs falou assim:
"Cada sonho que você deixa pra trás, é um pedaço do seu futuro que deixa de existir."
Não é uma frase forte? E tão verdadeira... Compartilho dessa ideia. Cada sonho que temos, nos pertence, é uma parte da nossa vida, temos que valorizá-los e realizá-los! Em gestão, planejamento estratégico a gente aprende a ter uma missão, metas anuais e a se planejar com ações para isso. Os sonhos para mim se organizam da mesma forma. Pode até ser que às vezes a gente não alcance nosso sonho, algumas empresas não alcançam suas missões. Às vezes a missão até muda antes de chegar nela, porque não? No caminho da busca de um sonho, você pode querer outro. [já leram meu último post sobre impermanência?!] Os sonhos também se transformam.

Para terminar esse papo de sonhar acordado, quero deixar ainda uma frase do Rau​l​ Seixas para filosofar:
"Sonho que se sonha só ​é só um sonho que se sonha só. Mas sonho que se sonha junto é realidade." 
Eu acredito, e vivo experiências, que há sonhos que precisamos estar junto para realizar. Posso ser bem piegas e dar um exemplo óbvio que foi o meu sonho de ter filho. Precisei sonhar junto e então realizamos. :) Mas há vários outros sonhos que são assim... Para quem conhece, as papeleiras, só se realizou porque sonhei junto. E assim há vários outros exemplos... Às vezes (ou quase sempre, eu diria) precisamos sonhar junto. O outro traz a energia que faltava, uma habilidade que você não tem, uma coragem que naquele momento não te cabia. E é lindo isso!


Eu deixo aqueles sonhos impossíveis para quando estou dormindo mesmo. E me divirto com eles lembrando ​pela​ manhã. Mas para mim, sonho real é aquele que eu sonho acordado. Bem acordado, de olhos bem abertos e com planejamento. Eu sonho acordado porque eu realizo meus sonhos. E isso me faz mais feliz! :) Se liberta também! Escolha sonhos possíveis, reais, atingíveis. Seja legal com você mesma. Comece com sonhos nível fácil, sonhe e realize diariamente. Tenho certeza que vai fazer bem para você! ;) ​Até a próxima. ​Beijão!!!

Obs.: Ah! Sobre a mega sena, eu raramente jogo... Não acredito muito que eu vá ganhar não... Mas às vezes me dá um surto e vou lá e faço questão de escolher todos os números, nada de surpresinha! Rs... Mas eu sempre digo quando não ganho... A verdade é que eu já tenho sorte - muita sorte - no amor! E se me perguntassem o que eu preferia, ainda assim, escolheria o amor!

20.1.16

impermanência.

Um dia desses estávamos tomando café da manhã e eu - com meu mau humor típico de quando acordo cedo - reclamando de algumas coisas para meu marido... [sim, eu tenho mau humor de manhã, nunca gostei de acordar cedo, com o meu filho melhorou bastante, ele vem com aquele sorriso e destrói qualquer sentimento ruim que eu tenha na hora!] Mas, faz mais de um mês que chove em Brasília sem parar e chuva o tempo todo me deixa depressiva. Não curto chuva nem dias cinzentos, amo o sol! Tudo isso pra dizer que estava reclamando das coisas para meu marido quando ele veio com uma: "Você tem que se acostumar com a impermanência das coisas."

É... Quando conseguimos sentar juntos para o café da manhã ele acaba sendo meio filosófico. Eu adoro essas conversas que me fazem pensar, me acordam (de verdade!), me dá um pontapé na bunda, sabe? Gosto de conversas que mexem com meu íntimo. Sempre fui assim, meus amigos bem sabem... E, por sorte, meu marido gosta também, e sempre consegue trazer assuntos profundos e pesados do jeito mais leve que você possa conseguir imaginar. É um dom dele. Sorte a minha. :)

Impermanência: 'condição do que não dura, do que é instável'. Ou seja, impermanência é tudo! Está em tudo! Não é mesmo? Apesar de vivermos em uma sociedade que busca a estabilidade, a certeza, o controle, o certo... Essa mesma sociedade tá buscando médicos, remédios, soluções para os problemas que têm em buscar essas coisas e não conseguir. Bizarro, não? Pessoas passam a vida inteira delas buscando uma segurança que não existe de fato. Somos criados assim. Aprendemos que algo seguro e que você pode confiar é algo que não muda, não te traz nenhuma surpresa emocional. É natural que busquemos isso, mas é libertador se nos desapegamos disso!

Eu amo mudanças! Corro atrás de uma quando faz tempo que não tenho... Rs... Quem me conhece sabe o quanto já mudei. Mas apesar de amar mudanças (da minha vida), ainda sofro muito com mudanças de pessoas, de lugares, de produtos, de sentimentos... Uma impermanência constante  que me dói, às vezes. Resquícios de uma educação que a sociedade me passou, naturalmente. Sofro quando alguém muda e eu estranho o novo alguém. Sofro quando mudo meu sentimento por alguém e isso me causa estranheza. Sofro - como boa taurina que sou - quando aquela comida que amo e desejo e vou lá só para sentir aquele gosto de novo não é mais o mesmo. Que sofrimento! Rs... Não é uma sofrimento grande, mas é uma estranheza que gostaria de não sentir. Gostaria de simplesmente aceitar as mudanças e melhor que aceitar, gostaria de recebê-las de braços abertos e feliz! Será possível? Bem, essa se tornou minha primeira meta de 2016. Receber e valorizar as impermanências da vida!


Vocês devem imaginar o quanto de mudanças não devem estar acontecendo ao meu redor depois do Antônio, né? Tem sido um exercício diário!

Quer algo mais seguro e estável que a impermanência da vida? :)
Essa eu te garanto que vai sempre acontecer. Rs...

Obrigada amor, por me ajudar a ser mais leve e desapegada.

18.1.16

primeira semana de trabalho, com filho! :)

[11 a 16 de janeiro de 2016] Pois é! Passou a primeira semana que trabalhei, ou tentei trabalhar. Rs...

Trabalhei :: Eu consegui trabalhar. Certeza. Atingi minha meta. Não era uma meta muito grande, mas o que importa é que tinha uma meta e prazo da semana e a atingi.
Eu tentei trabalhar :: Sim, digo assim, porque se pensar como eu trabalhava antes a sensação é de que eu tentei trabalhar... Rs... O "meu trabalho" mudou. Não é mais o mesmo. Não posso pensar em trabalho como eu trabalhava antes de ter filho. Preciso me focar no meu novo trabalho. :)

Uma vez li em um blog - no drama mom - muito bom, da Lua Fonseca [que aliás tive o privilégio de conhecer nesse final de semana! :)] a seguinte frase:
"Por mais babás que você consiga pagar, sua vida social vai mudar. Por mais maravilhoso que seja o seu marido, seu casamento vai se transformar. Seu corpo, seu sono, a forma como você trabalha, tudo vai mudar. Por mais tranquila que seja a sua relação com a sua mãe,  ela vai ficar diferente, pelo simples fato de que sua perspectiva muda de ângulo. Tudo muda no minuto que você chega em casa carregando o seu filhote no colo. E pode ser para melhor ou para pior. Hoje entendo que mais importante do que se preparar para o chá de fralda, é se preparar para essas mudanças."
Lua tem razão. Às vezes eu via as mães falarem que tudo muda quando se tornava mãe e achava exagerado, mas muda mesmo. Eu já me mudei, minha forma de ver o mundo, minha forma de ver o meu trabalho. Não é exagerado quando as pessoas falam que a gente renasce quando se torna mãe, é verdade. Claro que você continua sendo a mesma pessoa, a mesma essência, mas muita coisa muda., sabe? Talvez comparando com uma mochilada de alguns meses? Morar fora um tempo... Não estou aumentando nem diminuindo nada, mas essas coisas "fortes" que acontecem na vida da gente, nos transforma, né? Quem tem o hábito de refletir após acontecimentos ou tempos, sabe que geralmente chegamos a essa conclusão: mudamos.

Foto Mariana Leal Fotografia

A semana foi uma mistura de: "ai que delícia voltar a trabalhar!" com "caramba, será que vou conseguir fazer só isso hoje?" E também uma mistura de: "ai que gostoso dar o peito e um xêro no meu filho e poder ir trabalhar em seguida" com "acorda agora não amor!!!" Rs... E não vou mentir, o dia que mais rendi foi quando meu marido pegou o Tom e foi visitar os padrinhos dele e ficou umas quase 3 horas fora. Senti, naquele tempo, que ainda era a mesma, rendi o que estava acostumada. Mas, a verdade é que eu não sou mais a mesma, nem quero ser. Sou uma mãe que quer aprender a trabalhar como mãe, agora. E em falar de mãe... Só estou conseguindo voltar a trabalhar porque tenho minha mamãe aqui comigo me ajudando a cuidar do Tom! Mãe é tudo mesmo e sou muito grata!

Foto Tê Pires

Para quem tá curioso com o que trabalhei, só posso dizer que foi com a criação de produtos lindos que fiz para meu próximo curso na eduK. Sim! Estou voltando, gente. Em fevereiro estarei de volta na eduK em um curso super especial, tenho certeza que vocês vão gostar! Assim que puder falar mais, fofoco aqui! :) E, enquanto isso, estou aqui reaprendendo a trabalhar! Me libertando de como eu era trabalhando. Afinal, a vida é um eterno "se liberta" e estou disposta a cada um deles. E você?

5.1.16

O que o bruxismo tá me dizendo?

Esses dias percebi que meus dentes doíam todas as vezes que comia algo. Beleza, faz um tempinho que não vou à dentista (fui antes da gravidez) mas também não é possível que tenha cáries em todos os dentes... Daí que veio a minha lembrança de algo que há tempos não me atormentava, o tal do bruxismo.

Sim, bruxismo. Quem não sabe o que é, resumindo é uma doença sem cura que faz a pessoa ranger os dentes principalmente à noite (mas também de dia), causada geralmente por fundo emocional, quase sempre stress ou ansiedade. Ao menos comigo sempre foi assim. Tinha muito bruxismo na época de escola, provas, vestibular. Pois bem, ainda não fui à dentista, mas desconfio seriamente que meu problema seja esse. Estou rangendo os dentes dormindo. :(

Consciente disso -  e me "terapeutizando" - me dei conta da ansiedade e dúvidas que tava sentindo por estar chegando a data de voltar a trabalhar. Antes de ter o Antônio, não tinha ideia do que sentiria nesse momento. Hoje, se eu fosse colocar uma imagem que resumisse o que eu sinto seria uma bela de uma interrogação "?"! Tenho muitas dúvidas de como vai ser... Como vou fazer... Será que...?!

Foto Léo Rizzo


Quando eu e meu marido pensávamos em ter filho, as coisas já foram mudando. Me preparei em vários sentidos e um deles foi o processo de trabalhar menos e em casa, para que tivesse mais tempo de qualidade para nosso filho. E, na cabeça da taurina aqui estava tudo certo e planejado (ou está, vai saber! rs...). Mas agora, que chegou a hora de recomeçar a trabalhar em casa com meu filho - na mesma casa - vem junto um monte de dúvidas e anseios e porque não: medo! Ui! O bruxismo tá aí me lembrando em meu corpo que esse processo tá dolorido. Talvez eu esteja sofrendo sem necessidade. Talvez eu esteja sofrendo antes da hora. Talvez eu vá tirar de letra (kkk), mas só talvez... O jeito é encarar e "ver de qualé", como dizem. 

Tenho lido várias matérias e posts de mães que trabalham em casa. Tem me relaxado. Escrever aqui também coloca para fora parte dessa energia que me pesa. Vamos lá, voltar a trabalhar... E sempre que der vou compartilhando com vocês meus sentimentos! ;) 

O bruxismo? Ele deu uma melhorada quando me conscientizei do problema e comecei a encará-lo de frente! Hehehe Meus dentes já não estão mais doendo, mas os sonhos são mais difíceis de controlar. Mas de sonhos (dormindo ou acordado) eu falo depois. :) Xêro!

3.1.16

Um blog para chamar de meu! :)

Eu cresci na época que todos tinham um blog. Era o novo diário - não de papel - da garotada. Mas, claro: sem cadeado, sem segredos, sem vergonhas... Isso nunca me interessou, apesar de confessar que eu tive um ou dois blogs privados, só para mim (não duraram muito, mas eu precisava tentar). Eu sempre gostei muito de escrever -  no papel - cartinhas para as amigas, para os namorados, em cartões de aniversários, nas agendas, e para mim mesma, em diários. Acho inclusive que esse "treino" me ajudou muito a expor sentimentos em palavras, escritas, que, com o tempo, também puderam ser ditas. Hoje enxergo como um processo pessoal de amadurecimento muito enriquecedor.

Foto Léo Rizzo

Um blog para chamar de meu. Público e meu, só meu (se é público, é só meu?!). Um blog da Tê Pires, essa figura pública, designer e encadernadora... Mas que também é a figura particular mulher, filha, amiga, "marida" (um dia escrevo sobre esse termo) e agora, papel social mais recente, mãe. A maternidade me trouxe de volta a necessidade de escrever, fazer essa mágica que é traduzir os sentimentos em palavras. Talvez porque haja muito sentimento aqui transbordando em mim, talvez porque voltar a "ser", agora como mãe, me deixa cheia de dúvidas e anseios. Talvez porque nunca tive um blog para chamar de meu.

Me veio a vontade e sou daquelas que realizo minhas vontades.

Não é um blog para falar de maternidade, apenas.
Não é um blog para falar de encadernação, apenas.
Não é um blog para falar de papel, apenas.
Não é um blog para falar de amor, apenas. Apenas?! Amor é tudo!
Não é um blog para falar de design, apenas.
Não é um blog para falar de artesanato, apenas.
Não é um blog para falar da vida (como ela é!).

É um blog para compartilhar sentimentos. De maternidade e de encadernação. De papel, de amor e de design. De artesanato e da vida... É um blog da Tê Pires e tudo o que ela é e desejar expor. É um blog livre, entregue, sem tema e sem regras. É um blog libertador! É um blog para chamar de meu, para você. Seja bem-vindo(a)! e... Se liberta!

Espero que goste desse cantinho, dessa mágica, desse xêro. Não prometo postar sempre, mas prometo estar sempre aqui.