23.2.17

Sobre ser eu mesma e dar conta do que posso

Sabe, faz tempo que me sinto mal por não dar conta. Nunca dei conta de tudo, nem quando quis abraçar o mundo e nem quando me achava uma deusa designer com vinte e poucos anos... A vida quer que a gente acredite que a gente tem que dar conta de tudo, mas a gente não consegue e se frustra. A gente não consegue, e acha que a gente que é ruim, errado, pior, desajustado. Não. Não sistema, não vou mais deixar você fazer eu acreditar nisso. Eu sempre fui meio "se liberta!" com o sistema... Mas esse lance de DAR CONTA DE TUDO sempre me perseguiu e me fez querer dar de verdade e o fato de eu realmente conseguir fazer muitas coisas ao mesmo tempo e as pessoas dizerem o quanto eu "era foda" (desculpe a palavra) me fazia por um momento acreditar nessa inverdade. Não, eu não dou conta de tudo e nem quero dar. Não. Não mesmo. E tudo bem.

Quem me conhece e já me mandou algum e-mail na vida sabe o quanto eu tenho dificuldade em respondê-los... Eu não sei como resolver isso e há mais de 9 anos tento resolver seriamente essa minha "imperfeição", mas eu não consigo. Já tentei usar várias dicas de gestão de tempo, mas minha cabeça e eficácia em responder não funcionam da mesma forma que agenda, sabe? A verdade é que às vezes eu sento e resolvo 100 e-mails em um dia. Mas às vezes eu deixo passar 1 mês e não respondo 80. E não, não acho isso legal, mas eu sou assim. Claro que continuo querendo melhorar e resolver isso, mas a partir de ontem eu não vou mais sofrer porque não dou conta dos meus e-mails. Entenderam a diferença? Vou fazer o meu melhor para responder o mais rápido e da melhor forma possível, mas se eu não der conta, tudo bem.

Eu fiz uma escolha de vida e isso significa não dar conta de um monte de coisas e dar conta de um monte de outras coisas. Isso significa estar mais próxima de mim mesma e do que faz ser eu. Significa ter o modelo e tempo que acho justo e bom para mim mesma. Isso significa se posicionar. Para responder os mais de 80 e-mails de tinha não respondido de novembro e dezembro de 2016 eu fiz esse e-mail padrão para enviar e me ajudou muito a entender o que quero e o que sou:

"Escolhi ter uma micro micro micro pequena empresa. Eu sei que às vezes ela parece grande, pelas fotos e qualidade dos produtos e serviços que ofereço... Sei que até que eu sou famosinha no meio do artesanato e da encadernação manual artística, uma referência. E também sei que tenho muitos fãs e curtidores reais em minhas redes sociais. E tudo isso é lindo, mas a verdade é que minha empresa sou só eu, eu mesma, em casa, em um ateliê/escritório no menor quarto de um apartamento em Brasília. E isso não é ruim não. Não é nada ruim. Eu fiz essa escolha, eu queria e quero ser assim. Eu quero continuar pequena e não precisar contratar funcionários. Eu quero continuar trabalhando em casa, sozinha. Salvo algumas parcerias (lindas, por sinal!). E eu sei, isso faz com que eu tenha limites, vários limites. Faz com que eu não de conta de um monte de coisas. Sim... E isso tem esse lado ruim. Eu poderia também focar em apenas uma das muitas frentes que eu tenho, assim teria mais tempo e seria perfeita naquilo. Mas sabe qual é a verdade verdadeira? Eu não sou perfeita e... Não seria eu, eu gosto de ter todas as frentes que eu tenho e fazer serviços e produtos diferentes e administrar um monte de coisas diferentes ao mesmo tempo. E, modesta parte, eu faço bem, o serviço e produto, não necessariamente a administração e atendimento de tudo, mas o resultado final eu garanto uma qualidade extremamente boa e uma satisfação completa dos meus clientes. No atendimento acabo priorizando quem já fechou o pedido do serviço ou produto comigo e deixando de lado (temporariamente) aqueles e-mails que ainda estamos negociando e novos pedidos. Além disso, como já disse, tenho muitas frentes de trabalho e cuido delas todas sozinha. Tenho uma loja online que está sempre em movimento (e isso significa me comunicar com os clientes que fizeram pedidos, fazer arte de carimbos personalizados, me comunicar com meu fornecedor de carimbos, empacotar os pedidos e enviar pelos Correios). Participo e deixo meus produtos em uma loja colaborativa física aqui em Brasília. Faço os carimbos personalizados que são pedidos via e-mail. Trabalho como freelancer designer na criação de Identidade Visual (marca) e amo muito isso. Além dessas frentes, faço encomendas de encadernação manual e também dou aulas particulares e oficinas presenciais (em Brasília e fora) e online na eduK (em SP). De vez em quando também participo de feiras e levo os meus produtos à venda no téte-a-téte. Ah, e tenho que sempre estar criando coisas novas para ter novidades na lojinha e em meus produtos e serviços! Também sou eu que faço todo o atendimento por e-mail e posts nas redes sociais e cuido do meu financeiro. Talvez esteja esquecendo de algo, mas sou euzinha que faço tudo isso, e na medida do possível, acho que faço bem, faço o melhor que consigo! E, depois de refletir muito entendi que quero continuar assim. Quero continuar pequena, sozinha e com todas essas frentes de trabalho. Essa sou eu, essa é a Tê Pires. E isso significa muitas vezes não ter um pronto atendimento, mas às vezes ter. Isso significa minha criatividade e vitalidade estar sempre viva, porque faço o que amo e diversificadamente e isso que me mantém assim. Isso significa que estou fazendo uma escolha de SER e não de TER e posso perder clientes, serviços e dinheiro por conta da demora ou da minha forma de ser, mas que estou fazendo uma escolha pessoal e profissional e me posicionando no mundo e sistema dessa forma. E sim, tenho que arcar com a responsabilidade e felicidade que essas minhas escolhas trazem. Essas escolhas que eu faço são para ter a qualidade que eu sinto que quero e mereço no meu dia-a-dia, com minha família. Trabalhar em casa, autônoma, traz um monte de desvantagens e vantagens e isso também é uma escolha. Eu sinto muito por talvez, para você, eu não ser a profissional que você precisa ou deseja. E eu sinto muito que talvez, você, não seja a cliente que eu preciso, que me move e me dá oportunidade para eu ser eu mesma. A vida é assim mesmo, né? Feita de escolhas. E não, eu não sou perfeita e nem "tô me achando", estou apenas me posicionando e tentando SER EU nesse mundo maluco e nessa rotina maluca que o mundo nos obriga a ter. Se você leu tudo isso, muito obrigada!"

E, essa semana eu consegui zerar minha caixa de e-mails respondendo todos os e-mails deste ano, um a um e todos do ano passado com esse e-mail padrão e perguntando se ainda há interesse. E vamos que vamos. Para frente e dando conta do que consigo e respeitando os meus limites e sendo fiel a mim mesma e às minhas escolhas. Obrigada! Se liberta!

2 comentários:

  1. Tê, admiro cada dia mais você.
    Qdo comprei todos seus cursos na Eduk, me encantei pelo seu carisma.
    Aliás, seu carisma foi fator importante na compra.
    Infelizmente não consigo acessar meus cursos já tem tempo. Já enviei e-mails mas não respondem.
    Uma lastima a falta de atenção da Eduk. Comprei seus 4 cursos na época em que Ainda era um valor bem alto.
    Mas você é uma criatura mega especial.
    Ler seu blog me deu a sensação de estar pertinho de você.
    Agradeço a Deus por ter esse privilégio de conhecer seu trabalho , que vem da alma e é lindo!
    O que sei é ensino hoje , muita coisa, devo aos seus ensinamentos.
    Parabéns e que Deus te abençoe sempre mais! Você não tem nada de pequena! Você é uma fofa!!!

    ResponderExcluir
  2. Falou tudo !! Adorei o texto pois me fez refletir sobre querer abraçar o mundo, dar conta de tudo....casa...marido....filhos e querer fazer artesanatos.
    Obrigada !
    Acho que você está certa seguir seu ritmo foi a melhor escolha super bjs

    Dri :)

    ResponderExcluir